image-title

Encerrando as atividades do Design Para Vida em 2018, estaremos realizando a Edição Especial Happy Hour, do Ciclo de Ideias Design Para Vida, organizado em parceria com a Rede+, após a realização de seis edições no segundo semestre deste ano, o calendário do Ciclo, recebeu convidados como Ailton Cardoso Jr, Advogado e Procurador do Estado da Bahia, Volney Fernandes, Engenheiro Agrônomo, Caroline Leão, Neuropsicopedagoga, a pós-doutora em design e arquitetura Suzi Mariño e para encerrar e celebrar o lindo ano de 2018 estaremos realizando esta edição especial na Barra com a participação do Administrador, líder do ecossistema empreendedor, Fundador e CEO da Rede+, Líder da Anjos do Brasil na Bahia e Mentor de Startups Rodrigo Paolilo e do nosso fundador e designer Anderson Falcão. O Ciclo de Ideias Design Para Vida se propõe a refletir sobre potencial do design como um catalisador de mudanças, além de preparar para a Conferência Design Para Vida, Edição 2019, que irá reunir durante três dias, no Rio de Janeiro, vozes do design, pensadores, criativos, transformadores e visionários do Brasil e do mundo. Este encontro para o Ciclo serão na unidade REDE+ BARRA, com acesso livre, por meio de inscrições.

O evento é gratuito, acontece na Rede+ Barra, Av. Sete de Setembro, 3959, Barra, Salvador, Bahia (Atrás do Restaurante Pereira)

Leia Mais
image-title

Encerrando as atividades do Design para vida este ano, no dia 13/12 (quinta-feira), às 19H, o  Ciclo de Ideias do Design Para Vida, 2018 recebe a Doutora Suzi Maria Carvalho Mariño, Pós-Doutorado em Design pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro em 2007; Doutorado e Mestrado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo em 2005 e 2000 respectivamente. Pós-Graduada em Metodologia do Ensino Superior em 1991, em Design de Produtos em 2002 e em Atividade Física e Saúde em 2004. Atualmente é avaliadora do Sistema Nacional de Avaliação do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, consultora “ad hoc” da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia – FAPESB, do Ministério da Educação e Cultura – MEC e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq. Foi presidente da Associação de Ensino Pesquisa de Nível Superior de Design do Brasil – AEnD-BR no triênio 2002/2005 e membro da Comissão Assessora de Avaliação da Área de Design – ENADE, do INEP/MEC no período de 2006 a 2015. Professora de Ikebana (Arte oriental) da Fundação Mokiti Okada; Professora Titular aposentada da Universidade do Estado da Bahia e Professora Associada da Universidade Federal da Bahia. Professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais – PPGAV da Escola de Belas Artes da UFBA. Professora de Ergonomia e Metodologia Cientifica em Pós-Graduações em Medicina do Trabalho, Enfermagem do Trabalho e Engenharia de Segurança. Professora de Ergonomia, Metodologia do Projeto em Design e Metodologia Cientifica em Pós-Graduações de Design Estratégico, de Moda, Produto e Interiores. Atua na área de Design, com ênfase em Ergonomia e Design Emocional. Em suas atividades profissionais interagiu com mais de 29 colaboradores em co-autorias de trabalhos científicos. Tem dedicado suas pesquisas à processos criativos no desenvolvimento de produtos de design focando questões emocionais, além dos requisitos ergonômico, técnicos e estético buscando entender como produtos e/ou marcas despertam emoções positivas ou negativas em seus usuários. 

O evento é gratuito, acontece na Rede+ Tancredo Neves, no Edifício Suarez Trade, nº 450, 11º andar.

Leia Mais
image-title

exploração pura – procura de sinais, de elementos – novas conexões

Em 2017 iniciamos um projeto de parceria entre o Instituto Leo e o Núcleo Exploratório do IED Brasil, a ideia era levar mais design para o curso do Leo Educa. A experiência foi muito boa, conseguimos envolver a empresa Eucatex e nos propusemos pensar uma nova geração de móveis de produção industrial, móveis multifuncionais para espaços reduzidos. Para atender a nova demanda de “habitação social”, espaços de até 30m2 em prédios de mais de 100 unidades, voltadas exclusivamente para aluguel.

O briefing é um primeiro e grande desafio, e logo entendimos que pensar em mudanças e uma constante da historia da sociedade, nos propusemos uma situação ideal. Pensar o mobiliário residencial das próximas décadas. Para isto, decidimos olhar o que aconteceu nos últimos 100 anos. O exercício foi muito muito inspirador e o apresentamos em forma de uma exposição, que é, ao mesmo tempo, uma provocação e uma homenagem, hackeando os mestres do passado em busca de respostas, a partir da abordagem do design.

Qual a etapa anterior à descoberta?, partimos deste questionamento. E descobrimos que a resposta é a exploração pura, a procura de sinais, de elementos, que conectados com as ideias de cada um de nós, disparem novas formas de desenhar e produzir móveis.

Essa pesquisa exploratória recusa as respostas prontas, as falsas tendências, as certezas de prateleira, para investigar, identificar, diagnosticar, desenvolver, prototipar, testar, corrigir e finalmente lançar uma coleção de mobiliário que tire proveito de todas as características físicas do material utilizado, incorporando inovação tecnológica na produção em grandes series, democratização do design e possibilitando ao usuário a customização da criação e uso do móvel em seus espaços de habitação.|

link do relatório hibridos hack

Christian Ullmann
Coordenador de projetos
Centro de Inovação do IED Brasil

Fonte: iT Projetos

Leia Mais
image-title

Dia 25/10, às 19H, o Ciclo de Ideias do Desing Para Vida, 2018 recebe o Designer, Fundador do Design para Vida Anderson Falcão para o bate-papo do mês de outubro com o tema “Design para Vida. Design, Educação Desenvolvimento“. baiano, designer por descendência, vocação e formação. Formado em Comunicação Social, é mestrando em Artes Visuais/Design pela EBA-Escola de Belas Artes da UFBA – Universidade Federal da Bahia. Atua no planejamento de projetos e consultorias estratégicas em inovação e design com foco no desenvolvimento. Seu trabalho é reflexo dos mais de 25 anos de atuação, dedicandos ao pensamento crítico do design e seu potencial de transformação. Nos últimos anos tem priorizado projetos que tenham em seu dna o propósito de gerar impactos positivos para a sociedade.

“Acredito no valor do design e, fundamentalmente, no que ele representa em sua origem. É um elemento transdisciplinar que considero que tem o poder para estar no centro das transformações do Brasil e do mundo. Meu objetivo é trabalhar no desenvolvimento de projetos no presente com foco no futuro. Alinhando transformação e inovação ao desenvolvimento humano, econômico, social e ambiental sustentável.” Anderson Falcão

O evento é gratuito, acontece na Rede+ Tancredo Neves, no Edifício Suarez Trade, nº 450, 11º andar.

Leia Mais
image-title

Dia 27/09, às 19H,o Ciclo de Ideias do Desing Para Vida, 2018 recebe a Neuropsicopedagoga Caroline Leão para o diálogo do mês de agosto com o tema “Neurociência no Design“. Graduada em Pedagogia Especial, pela UNIBAHIA (2006). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Métodos e Técnicas de Ensino. MBA em Gestão de Recursos Humanos, pela UNIJORGE, Pós Graduanda em Neuropsicopedagogia pela Realiza Projetos Educacionais, em Gestão de Programas e Projetos Sociais pela Estácio de Sá e Gestão em Sustentabilidade, Politica de Desenvolvimento Social. Atua como formadora, instrutora, organizadora com foco numa aprendizagem significativa e no aperfeiçoamento do capital intelectual para o desenvolvimento das pessoas. O evento é gratuito, acontece na Rede+ Tancredo Neves, no Edifício Suarez Trade, nº 450, 11º andar.

Leia Mais
image-title

Dia 30/08, às 19h,o Ciclo de Ideias do Desing Para Vida, 2018 recebe o Diretor da Florar Conservação e Sustentabilidade, Volney Fernandes para o diálogo sdo m de agosto com o tema “Inovação e Design para Sustentabilidade“. Graduado em Engenharia Agronômica e especialista em Biologia de Florestas Tropicais, com experiência em planejamento da paisagem, restauração florestal, sistemas agroflorestais e implantação de programas de serviços ambientais. Atualmente é Diretor Executivo da Florar, coordenando ações que promovem o desenvolvimento rural em bases conservacionistas. O evento é gratuito, acontece na Rede+ Tancredo Neves, no Edifício Suarez Trade, nº 450, 11º andar.

Leia Mais
image-title

Dia 26/07, as 19h, iniciamos o Ciclo de Ideias do Desing Para Vida, 2018 com Ailton Cardozo e o tema “Governo aberto, inovação social e design jurídico de políticas públicas“. Procurador do Estado da Bahia, advogado, Bacharel em Direito pela Universidade Católica de Salvador, com mestrado em Regulação da Indústria de Energia pela Universidade Salvador – UNIFACS, além de especialização em Direito da Infraestrutura, Mecanismos de Desenvolvimento e Inclusão Social – Fundação Getúlio Vargas – FGV, São Paulo. É membro do Conselho de Administração da SUDIC (Superintendência de Desenvolvimento Industrial), do Conselho Curador do Irdeb – Instituto de Radiodifusão da Bahia (TVE) e do Conselho Curador da Fundação Cultural do Estado da Bahia. O evento é gratuito e ocorre na Rede+ Tancredo Neves, no Edifício Suarez Trade, nº 450.

Leia Mais
image-title

Após 6 anos, o Design Para Vida está de volta a Salvador. Com início no mês de julho, o Ciclo de Ideias Design Para Vida, organizado em parceria com a Rede+, acontece em seis edições no segundo semestre deste ano, sempre na última quinta-feira de cada mês, exceto em dezembro, quando será realizado na segunda semana. O calendário com as datas do Ciclo e convidados será divulgado em breve.

O Ciclo de Ideias Design Para Vida se propõe a refletir sobre potencial do design como um catalisador de mudanças, além de preparar para a Conferência Design Para Vida, Edição 2019, que irá reunir durante três dias, no Rio de Janeiro, vozes do design, pensadores, criativos, transformadores e visionários do Brasil e do mundo.

Os encontros para o Ciclo serão na unidade Rede+ Tancredo, com acesso livre, por meio de inscrições. Anote o endereço: Edifício Suarez Trade, 11º andar, Av. Tancredo Neves, 450, Caminho das Árvores.

Leia Mais
image-title

Caravela de bioplástico projetada pela Furf Design Studio utiliza algas para limpar as águas e surge como opção autossuficiente, barata e poética de intervenção urbana.

Dói saber que há pelo menos 20 anos a ciência sabe qual é a maneira mais eficiente e barata de solucionar a poluição orgânica das águas de rios e parques urbanos, e mesmo assim não conseguiu transformar esse conhecimento em realidade. Mas finalmente a história começa a mudar. Em colaboração com o oceanógrafo Bruno Libardoni, que está terminando o doutorado em Geociências na Universidade Federal Fluminense e que já passou por renomadas instituições de ensino na Europa, o premiado estúdio curitibano Furf Design, da dupla Maurício Noronha e Rodrigo Brenner, acaba de sair do forno com a Caravela, uma estrutura despoluidora de corpos de água que é sustentável, eficiente e democrática. E já que a palavra consta no dicionário: revolucionária.

Crédito: Furf Design Studio/Divulgação

A chave está no processo natural de crescimento das algas, que em simbiose com as bactérias, utilizam a poluição da água para acontecer. Por isso, toda a estrutura da embarcação que se move pelo espaço ao redor de um eixo, feita a partir de bioplástico com 10 m² e 3 metros de altura, foi pensada para otimizar o crescimento delas, com velas e elementos submersos que geram turbulência e movimento. Para delimitar o crescimento e impedir um desequilíbrio ambiental, a Caravela recebe uma tela de algas.

Por dia, segundo dados de pesquisas globais, as algas conseguem retirar 10 gramas de Fósforo das águas e geram 350 gramas de alga seca (biomassa). Ao longo de um ano, uma única Caravela pode render 1 tonelada de biomassa. Isso tudo por meio de um processo natural, sem uso de energia convencional e sem custo operacional pesado, como é comum em outras alternativas. “Essa é a honestidade científica do projeto. Não vamos inserir produtos. Vamos utilizar organismos do próprio ambiente. Implementada a Caravela, as algas começam a crescer, a água fica mais clara, com menos poluição. Depois de duas semanas, com crescimento máximo das algas, elas são colhidas e podem virar biocombustível, fertilizante para a agricultura, proteína para industria alimentícia ou bioplástico para construir mais caravelas“, celebra Libardoni.
A peça conta ainda com painéis solares que irão gerar energia elétrica para alimentar luzes de LED vermelhas e azuis que permitirão uma fotossíntese contínua durante a noite, aumento o potencial de crescimento das algas em até 40%.

Confira no esquema abaixo o funcionamento da Caravela

Crédito: Furf Design Studio/Divulgação

 

A peça tem ainda sensores que permitem saber as condições da água em tempo real. “As pessoas podem caminhar dentro dos parques, identificar a Caravela e obter os dados que quiserem. Isso é mais democrático e transparente do que só confiar em dados oficiais”, contam os designers.
Além de toda a solução despoluidora, a Caravela é uma intervenção urbana poética. “O movimento é quase como um balé, hora assumindo o formato de uma gota e outras vezes de barquinho caricato de origami”, brinca Brenner. O próprio nome e forma da estrutura nascem com ginga poética. “Na época das caravelas, tantos vieram aqui explorar para descobrir novos mundos. Hoje não existem mais mundos físicos a serem descobertos, mas novos mundos mentais, modelos de pensamento, percepções, consciências”.

Crédito: Furf Design Studio/DivulgaçãoO intuito é aplicar o projeto primeiro em Curitiba. O teste piloto em águas deve acontecer dentro de três meses, aproximadamente, depois de novos aprimoramentos. Os designers ainda avaliam o preço da primeira caravela. Por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, a Prefeitura de Curitiba já sinalizou que apoia a iniciativa em seus parques.

Crédito: Furf Design Studio/Divulgação

 

Fonte: http://www.gazetadopovo.com.br

Leia Mais
image-title

Com as linhas triangulares, inspirada no principio da engenharia de treliças, que dá forma ao quadro da sofisticada AstanBike, nasce o design da primeira bicicleta brasileira sustentável e ecológica, produzida da fibra de madeira de oiticica, criada em 2014 pelos designers capixabas, Guilherme Pella e Nícolas Rutzen. Um produto com conceito contemporâneo, inspirado no minimalismo atual e nas linhas orgânicas remetendo à formas naturais e à fibra.

A AstanBike “resgata a integração entre o homem e o meio ambiente. Além da grande beleza e inovação no design.” Afirma Guilherme Pella, CEO e sócio-diretor da marca.

A bicicleta é lançada num momento onde o consumidor pede, cada vez mais, por produtos ecológicos que estejam alinhados com design e funcionalidade. “Os produtos sustentáveis e reciclados não podem mais ter aquela aparência de lixo reaproveitado. Pelo contrário, a beleza está na utilização de produtos orgânicos e de reciclagem numa ambientação e design que passa por um lifestyle”, comenta Nicolas Rutzen, CPO responsável pela AstanBike.

A partir da escolha da madeira é feito todo o processo de preparação da fibra da madeira para o corte das peças em, como um grande quebra-cabeças, seguido pelo processo de revestimento da lâminas, utilizando resina de mamona vegetal, 60% menos tóxica em relação a resina epóxi e com uma maior poder de impregnação na madeira, potencializando a vida útil da estrutura, protegendo contra radiação solar e intempéries, razão da alta resistência do produto e sua estrutura de construção. O quadro oco permite a bicicleta leveza tanto em suas linhas de desenho quanto no aspecto físico, com peso total bruto entre 8 e 10 quilos contra os 15 a 18 quilos das tradicionais em alumínio. Mas a Astan não para e continua investindo em inovação e tecnologia. “Nosso desejo é chegar a uma Astan pesando de 3 a 7 quilos.” Afirma Guilherme.

Das sobras para produção dos quadros, as fibras são utilizadas pra produção dos descansos, pedais, acessórios e chaveiros com o desenho do quadro, gerando um aproveitamento cerca de 80 a 90% da sobra do corte. Guidões e garfos são laminas prensadas com angulação e ergonomia apropriadas para atender a resistência perfeita e confortabilidade do usuário.

Todo nosso processo se inicia na escolha dos matérias, como nosso caso é 90% madeira, pesquisamos bastante ao longo de um ano vários tipo de madeira, como mogno e bambu, que são utilizados na maior parte das bicicletas em fibras naturais no mundo. A escolha da Oiticica, madeira de lei utilizada na fabricação do produto, veio por diversas razões, dentre elas ser uma árvore abundante, não estando em extinção, além de ser uma madeira nativa do Brasil, mais
predominantemente no norte e nordeste do pais. Na sequencia selecionamos as madeireiras com selos e certificação. Todo processo é cuidado e pensado para proporcionar um controle qualificado da cadeia produtiva.

Para produção de cada Astan usamos menos que 1% de uma árvore. O que significa que uma árvore de oiticica tem capacidade para produzir 120 bicicletas. Ainda assim está nos planos da Astan criar um
programa de replantio de árvores de Oiticica. Para cada AstanBike vendida a empresa vai plantar uma árvore de oiticica. “Ao replantar uma nova árvore para cada bicicleta vendida, estamos falando em um fator de mais de 100 vezes de reflorestamento.” Destaca o designer Nicolas.

Design, Tecnologia, Sustentabilidade e Inovação é o que está na base do conceito e visão da AntanBike e seus criadores. É a concepção do futuro, resgatando
a integração entre o homem e o meio. “Engajamento e visão de futuro que corre no sangue de um Astaniano.” Diz no release da AstanBike

Para Guilherme, o design é algo vital para transformação social. “Vejo design em tudo, independente da crença que cada um tem, fomos de alguma forma moldados, como fruto de um design. Me impacta muito quando designers pelo mundo criam projetos que ajudam a superar problemas, para enchentes, falta de água ou campos de refugiados, por exemplo. O design não resolve apenas problemas de um produto físico mas se expande para todas as áreas da vida. Acredito que o design deveria ser ensinado nas escolas desde o ensino fundamental. Pois, entendo que isso ajudaria a esses indivíduos a se tornarem jovens e adolescentes com maior capacidade e potencial de resolver seus problemas, maior facilidade e habilidade instrucional, em qualquer esfera da sociedade.”

Enquanto falava da AstanBike inevitavelmente se reflete quanto a design, sustentabilidade e responsabilidade social. E a conversa com o Guilherme, CEO da Marca, só reforça a visão e o comprometimento da empresa. “Acredito que o peso que o design como agente social é enorme pois, pode ser um líder a frente desse campo. Design para mim é solução de problemas. Design é política e pode contribuir para mudanças sistêmicas nas cidades. Vejo o design como uma chave para um futuro agora porque ele tem a capacidade de unir interesses, disciplinas em um objetivo comum, multidisciplinar, um agregador com potencial para fazer um pacto para atrair uma nova era para o Brasil e o mundo de mudanças que podem impactar de fato na qualidade de vida das pessoas.”

A AstanBike já nasce moderna e certa do seu comprometimento. Enxergando que sua postura ética contribuir para economia criativa local e gerar automaticamente impactos sociais e econômicos reais para o seu estado. Como bem disse Guilherme “design no meu estado é como um diamante bruto a ser lapidado.”

A marca é o resultado de investimento, abnegação, resiliência, criatividade e inovação. Já é uma referência em no estado e, só isso, já uma super vitória. Estão inspirando jovens, estudantes de design a não enterrarem seus sonhos e projetos. Acreditando que o design tem o poder gigantesco de mudar as coisas.

A Astan só está a venda pela internet no momento. Aos amantes das bicicletas, do design, do estilo e da ecologia, a empresa está dando um desconto de lançamento de 20%, que pode ser encontrada em www.astan.co

Vida longa a AstanBike.

Leia Mais